jueves, 23 de octubre de 2008

Será que morrer é o último prazer terreno?

Por outro lado, estou hoje um pouco cansada e é sobre o prazer do cansaço dolorido que vou falar. Todo prazer intenso toca no limiar da dor. Isso é bom. O sono, quando vem, é como um leve desmaio, um desmaio de amor. Morrer deve ser assim: por algum motivo estar-se tão cansado que só o sono da morte compensa. Morrer às vezes parece um egoísmo. Mas quem morre às vezes precisa muito. Será que morrer é o último prazer terreno?

Clarice Lispector


Acabo de colher no blog da Elaine este texto. Adoro Clarice Lispector desde o dia, estava em segundo de carreira e começava a estudar de forma oficial português, no que a leitura para a parte do Márcio, o leitor brasileiro, foi A hora da estrela. Logo chegaram outros, como sempre. GH comendo a barata como catarse (uma catarse à que nem eu chegaria) um dia de sol no quarto que ela esperaria ter que arrumar, mas que estava terrivelmente limpo e iluminado. Perto do coraçao selvagem que é algo assim como uma ucrónica ficcionalizaçao da minha vida. E contos. Dos contos, eu já postara "Amor", do que podemos dizer que a catarse é totalmente minha. Minha e da Anna Karenina vendo o homen a golpear na via do comboio no filme (nao lembro agora se no romance). O tipo de catarse que eu vivo no dia a dia e que, nesta altura, está a me desgarrar tanto.

Outros desgarros, os que vêm objectivamente de fora, eu posso combatir. Mas as catarses que vêm de dentro, as que estão motivadas por pequenas coisas, autocarros que mudam de número comigo dentro, canções, poemas, livros, filmes... que falam de mim num trecho (num trecho ao que nunca prestara importância), essas são as que eu não posso superar. As que fazem para que eu comparta (por mais do cansaço) a ideia geral do texto.

O mundo cae em pedaços ao meu redor e eu tenho que sorrir e dizer que não passa nada. Porque, em realidade, não passa. É tudo dentro da minha cabeça.

Mas eu reconheço que sim, que eu exprimo o cansaço como outros exprimem drogas.

Ultimamente o cansaço de viver está mais presente que antes. Mas eu sobrevivo. Com mais dificuldade que nunca, mas sobrevivo. Como quando eu nao posso mais de cansaço físico mas tardo horas em marchar para a cama. Exactamente igual.

E isso é muito mau para a minha saude.

Mas a minha saude, também, é que está na minha cabeça.


4 never more:

Elaine Crespo dijo...

Maryone!

Estamos iguais minha amiga!Estou me sentindo da mesma forma que você!!
Mas como você disse sabiamente deve estar dentro de nossas cabeças estes sentimentos e medos que povoam minha vida!
Mas somos mulheres e por si só vitoriosas! Espero!:)

Estou igual ao texto de Clarice que tão bem descreve o que sinto agora!

Brenda esta ótima já totalmente recuperada.

Isadora fará um trabalho do colégio
sobre a Espanha. Disse na classe que estuda espanhol que escolheu a Galícia, pois tem uma amiga que mora lá!!(risos) Seu trabalho portanto será sobre a Galícia!

Um beijo nos meus amiguinhos !!

Outro para você daqui do Brasil!!

Elaine

Elaine Crespo dijo...

Maryone!

Estamos iguais minha amiga!Estou me sentindo da mesma forma que você!!
Mas como você disse sabiamente deve estar dentro de nossas cabeças estes sentimentos e medos que povoam minha vida!
Mas somos mulheres e por si só vitoriosas! Espero!:)

Estou igual ao texto de Clarice que tão bem descreve o que sinto agora!

Brenda esta ótima já totalmente recuperada.

Isadora fará um trabalho do colégio
sobre a Espanha. Disse na classe que estuda espanhol que escolheu a Galícia, pois tem uma amiga que mora lá!!(risos) Seu trabalho portanto será sobre a Galícia!

Um beijo nos meus amiguinhos !!

Outro para você daqui do Brasil!!

Elaine

Rubén Darío Carrero dijo...

Con esta entrada me has volado de aquí. El portugues es tan suave que a veces creo que antes de hablarlo quienes lo hacen se colocan mopas de algodon debajo de la lengua.
A la U quiero dibujarla, pero se mueve mucho...!! jejeje
La imágen me trajo perfectamente tu recuerdo, sabía que ibas a preguntar por ello, pero no encontré leyenda ni aviso que le identificara.
Ese cuadro es una de las mejores cosas que me ha pasado últimamente.

La ternura es como si una hilandera hilara, hilara e hilara más, ¡inconsciente!, el horizonte.
El horizonte mudo, la hilandera ciega, de ambos está compuesta la poesía. Al ojo le cuesta esa imágen...!!

Besos.

P.D.: Manos de niña las tuyas y pies de fugitivo.
A la U y a tí quiero aprendermelas con la imaginación!

pseudokane dijo...

O que me consola acerca da possibilidade de catarse ortóptera é que isso só não é mais possível para mim porque sou militante vegetariano! Do contrário, nem mesmo cardumes de baratas (não sei o coletivo deste bicho) seriam suficinetes para aplacar o cansaço que vivencio agora tambémn, mas com o qual em nada comparo á vontade de morrer...

Meu preferido da Clarice é UMA APRENDIZAGEM OU O LIVRO DOS PRAZERES, no qual a protagonista Lorelei vai á praia e sorve água salgada como se fosse sêmen, que nem eu fiz uma vez...

Oh, vida!

E amanhã é meu último dia de trabalho.
Fui despedido - lástima!

WPC>